No cenário fervoroso do Carnaval carioca, uma competição não se restringe apenas à passarela do samba, mas também aos bastidores onde decisões cruciais são tomadas. Nesta quarta-feira (14), os dirigentes de quatro escolas de samba – Grande Rio, Imperatriz Leopoldinense, Mocidade e Beija-Flor – lançaram uma carta à Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), clamando por medidas disciplinares contra a Unidos da Viradouro, campeã do Grupo Especial, em virtude de uma possível infração ocorrida durante o desfile.

Pedido de Punição e Análise pela Liesa

O documento, entregue à Liesa, expressa a preocupação das escolas concorrentes com uma suposta irregularidade na Comissão de Frente da Viradouro. O presidente da Liesa, Jorge Perlingeiro, anunciou que os recursos foram acatados e serão minuciosamente avaliados até quinta-feira (15).

Reivindicação de Penalização

As agremiações exigem que o Viradouro seja sancionado com uma perda de 0,5 ponto. Em uma competição acirrada, onde cada fração de ponto pode determinar o resultado closing, a diferença de pontuação entre o Viradouro e a segunda colocada é ínfima. Mesmo que a Liesa tenha decidido pela penalização, o Viradouro ainda permanecerá posicionado à frente da Grande Rio, segunda colocada.

Resposta da Unidos da Viradouro

Enquanto a discussão fervem nos corredores da Liesa, a Viradouro se manifesta de maneira discreta. Embora tenha confirmado uma reunião com a liga, a escola não revelou o teor nem o closing do encontro. O presidente de honra da Viradouro, Marcelo Petrus Calil, ressaltou o compromisso da escola com o regulamento, mas preferiu aguardar a abertura dos envelopes para se pronunciar oficialmente.

Alegações de Ultrapassagem do Limite de Integrantes na Comissão de Frente

Conforme detalhado no documento ao qual o portal G1 teve acesso, a alegação contra a Viradouro se baseia na suspeita de que a escola teria excedido o limite de 15 membros visíveis durante a apresentação da Comissão de Frente, violando, assim, uma das normas previstas para o desfile.

Em um debate que mistura paixão, rivalidade e estratégia, as decisões nos bastidores podem moldar o destino das escolas de samba, evidenciando que no Carnaval do Rio, até mesmo o detalhe mais ínfimo pode ter um impacto monumental no resultado closing.