Chiquinho brazão
Imagem – Web site Câmara dos Deputados

Neste domingo (24), a Polícia Federal deflagrou uma operação como parte das investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, ocorrido em 2018 no Rio de Janeiro. Durante a ação, o deputado federal Chiquinho Brazão e Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, foram presos, sob a suspeita de serem os mandantes do crime. Além disso, o ex-chefe da Polícia Civil Rivaldo Barbosa também foi detido, acusado de acobertar o crime.

Prisões e mandados de busca:

Os agentes da Polícia Federal cumpriram três mandados de prisão e estão realizando outros 12 de busca e apreensão, todos expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A ação se estendeu à sede da Polícia Civil do Rio de Janeiro e ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), onde foram realizados mandados de busca e apreensão.

Possível motivação do crime:

A polícia está investigando a motivação por trás do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, com suspeitas de que o crime possa estar relacionado ao interesse em desenvolvimento territorial de áreas controladas por milícias no Rio de Janeiro. Essa linha de investigação sugere uma ligação entre o crime e disputas pelo controle de territórios na cidade.

Ou seja:

A prisão dos suspeitos de serem os mandantes do assassinato de Marielle Franco representa um avanço significativo nas investigações, trazendo esperança por justiça para a família das vítimas e para a sociedade como um todo. Enquanto as autoridades continuam a desvendar os detalhes desse caso complexo, o país aguarda por respostas e pela responsabilização dos envolvidos na execução de um dos crimes mais chocantes da história recente do Rio de Janeiro.