Identificação do suspeito e descrição do incidente

O homem flagrado por câmeras de segurança apalpando as nádegas de uma mulher dentro de um elevador em Fortaleza (CE) foi identificado como Israel Leal Bandeira Neto. O incidente ocorreu na última sexta-feira (15) em um prédio comercial na capital cearense. A vítima, uma nutricionista que havia acabado de sair do trabalho, pegou o elevador para descer à garagem do edifício, momento em que o assédio aconteceu.

Detalhes do incidente e reação do agressor

As imagens capturadas pelas câmeras de segurança mostram o momento em que os dois estão dentro do elevador. Após a vítima sair, Israel estica o braço direito e apalpa suas nádegas antes de retornar ao inside do elevador e acionar o fechamento da porta. Ele permanece no elevador até chegar ao seu destino, onde seu carro estava estacionado, saindo do native às pressas.

Procedimentos legais e reação da empresa onde o suspeito trabalha

A vítima registrou boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher, e a Polícia Civil está conduzindo a investigação do caso. Após a viralização do incidente nas redes sociais, Israel apagou seus perfis em todas as redes sociais. Ele atua como assessor de investimentos na empresa M7 Investimentos, que anunciou seu afastamento imediato e definitivo de suas atividades, repudiando veementemente qualquer ato de violência, abuso ou importunação. O instagram dele é o @israellealbandeiranetof.

Perfil do suspeito e reação da família

Israel Leal Bandeira Neto é casado desde 2016 com uma mulher que também é nutricionista. Após o caso envolvendo Israel, sua esposa também apagou seus perfis nas redes sociais. Além de atuar como assessor de investimentos, Israel é palestrante e autor de um curso on-line sobre tesouro direto, tendo participado anteriormente como palestrante em eventos como o M7 Talks, onde abordou temas relacionados a fundos imobiliários.

O caso continua a gerar repercussão tanto nas redes sociais quanto no meio jurídico e empresarial, evidenciando a importância do combate ao assédio e à violência contra as mulheres, assim como a necessidade de responsabilização dos agressores, independentemente de sua posição social ou profissional.